Óleo de melaleuca: para que serve, benefícios e como usar

Mil e uma utilidades, óleo de melaleuca pode ser usado na pele, no cabelo, no corpo e até para limpar a casa

 

Pode parecer um trava-línguas, mas o óleo de melaleuca vai muito além do nome complicado, trazendo inúmeros benefícios para beleza, saúde e bem-estar. Descubra todos eles a seguir:

 

O que é óleo de melaleuca?

melaleuca_29129_l

Trata-se de um óleo essencial obtido a partir das folhas da árvore australiana Melaleuca artenifolia (conhecida como tea tree ou árvore do chá), também cultivada na Europa, América do Sul e Ásia. Com coloração amarelada e odor característico, o potencial do óleo de melaleuca é explorado pelos aborígenes da Austrália há milhares de anos para tratar feridas na pele.

 

Para que serve o óleo de melaleuca?

 

O óleo de melaleuca é amplamente utilizado e conhecido por ser um antisséptico muito poderoso e eficaz contra bactérias, vírus e fungos – além de ter propriedades anti-inflamatórias, antifúngicas e cicatrizantes que permitem que a substância seja usada como coadjuvante em tratamentos para acne e caspa, para acalmar a pele após a depilação, limpar a casa, eliminar o mau hálito e odores corporais, entre tantas outras funções.

 

Benefícios do óleo de melaleuca

 

Melhora a acne: graças às suas propriedades antissépticas e antibacterianas, a substância combate a bactéria Propionibacterium acnes, responsável pelo processo inflamatório dos folículos pilosos e formação das lesões acneicas. “Já existem estudos que apontam que óleo de melaleuca com uma concentração de 5% trata tão bem a acne quanto o peróxido de benzoíla na mesma concentração – com o diferencial de não irritar a pele”, comenta Emily Alvernaz, dermatologista da Clínica Goa (RJ).

Para aproveitar esses benefícios, use todas as noites géis com concentração de 5% de óleo de melaleuca ou dilua três gotas do mesmo em 10 ml de óleo vegetal de jojoba para aplicar na pele. Ainda assim, vale procurar um dermatologista ou aromaterapeuta para avaliar e recomendar a dose certa para cada caso.

Diminui a caspa: o óleo de melaleuca promove uma limpeza no couro cabeludo, desobstruindo os folículos. Além disso, sua ação anti-inflamatória regula a vermelhidão, coceira e descamação na região. Procure nas prateleiras por xampus formulados com a substância ou misture 5 ml de óleo vegetal de abacate + 3 gotas de óleo de melaleuca + 1 gota de óleo de lavanda.

“Massageie bem o couro cabeludo e os fios com a mistura, deixando-a agir por 10 minutos. Depois, lave com seu xampu. Repita o protocolo semanalmente”, indica Vívian Malva, professora do curso de Naturologia da Universidade Anhembi Morumbi (SP).

Alivia os efeitos da depilação: “Outra vez o poder anti-inflamatório do óleo de melaleuca entra em ação e, somado ao seu efeito calmante e cicatrizante, ajuda a acalmar a pele irritada e evitar a foliculite”, explica Mônica Aribi, dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SP). Para isso, misture três gotas do óleo essencial em uma colher (sopa) de gel de aloe vera e aplique na região depilada logo após o término do procedimento.

Trata micose nas unhas: por ser fungicida, o óleo de melaleuca é ideal para esse fim. Neste caso, Mariana Vitte, naturóloga do W Estética & Spa (RJ) recomenda a aplicação de uma gota do óleo essencial puro diretamente sobre a unha afetada, duas vezes ao dia, até que ela se cure da micose.

É um desodorante natural: o óleo de melaleuca possui ação antibacteriana, antifúngica e desodorante, a combinação perfeita para combater os odores causados pela transpiração. “A partir dele, é possível fazer um desodorante natural combinado com bicarbonato de sódio. É só misturar 50 gramas de bicarbonato com oito gotas do óleo essencial. Conserve tudo em um frasco de vidro com tampa em spray e borrife nas axilas uma vez ao dia”, ensina Nathalia Carravetta, especialista em aromas da marca L’eponge (RJ).

Combate o mau hálito: por ter amplo espectro de atividade contra bactérias, vírus e fungos, o óleo de melaleuca é bastante indicado nesse caso, como explica Vívian Malva. “Já existem no mercado alguns cremes dentais e enxaguantes bucais formulados com a substância. Mas outra possibilidade é pingar uma gota do óleo essencial em um copo de água, mexer bem, bochechar e cuspir, enxaguando bem a boca, sem engolir”, indica. Afta e infecções na gengiva também podem ser tratadas dessa forma.

Segundo a professora, isso pode ser feito três vezes ao dia, até os sintomas desaparecerem (o que deve acontecer no máximo em uma semana). Se o caso tornar-se crônico, suspenda o uso do óleo e agende uma consulta médica.

Alivia a congestão nasal: quando inalado, o óleo de melaleuca atua contra vírus e bactérias e ajuda a liberar as vias respiratórias, auxiliando em quadros de gripes e resfriados, por exemplo. “Adicione algumas gotas do óleo em água fervente e inale essa mistura com a ajuda de um vaporizador, nebulizador ou com uma toalha sobre a cabeça”, recomenda Nathalia Carravetta. Em casos constantes de congestão nasal, faça esse procedimento todas as noites antes de dormir. “É importante, ainda, evitar sair no frio e desprotegido(a) após a inalação”, completa Vívian Malva.

Acalma: o aroma da melaleuca é terapêutico e ajuda a atenuar a sensação de medo e sintomas de ansiedade e depressão. A dica é derramar duas ou três gotas do óleo essencial em um lenço limpo e respirar profundamente até mais de uma vez por dia.

Age como repelente: muitos óleos essenciais são repelentes pois as plantas (de onde são extraídos), em seu processo de evolução, precisaram encontrar formas de se proteger dos insetos. “O óleo de melaleuca pode ser usado em difusores de ambientes (elétrico ou em vela): basta colocar cinco gotas diluídas em água”, ensina Mariana Vitte. É um ótimo parasiticida.

Desinfeta feridas: as propriedades antissépticas do óleo de melaleuca o tornam altamente indicado para limpar cortes e machucados. A recomendação da professora Vívian Malva é usar o óleo diluído a 10% (uma parte de tea tree para 10 partes de hidrolato de lavanda) para enxaguar e higienizar feridas infeccionadas. “Use enquanto necessário, mas a ferida deve cicatrizar em dois ou três dias. Caso isso não aconteça, um médico deve ser consultado”, afirma.

Mantém a casa limpa: sim, o óleo de melaleuca também pode ser usado na limpeza doméstica. Nas louças, nos azulejos, nas pias… “Trata-se de uma substância de grande complexidade química, capaz de matar germes e evitar a propagação de vírus”, sinaliza Vívian Malva.

Para fazer uma limpeza caprichada na cozinha e no banheiro, misture ½ xícara de bicarbonato de sódio para a mesma quantidade de sabão vegetal. Acrescente dez gotas de óleo de melaleuca, dez gotas de óleo de limão siciliano e um pouco de glicerina vegetal para obter uma mistura mais homogênea. Nas louças, vale adicionar algumas gotas diretamente no detergente líquido, como sugere Nathalia Carravetta. “Usar óleos essenciais para limpar a casa é a maneira mais prática de evitar a inalação de compostos químicos nocivos presentes nos produtos de limpeza tradicionais”, opina.

 

Onde comprar

 

O óleo de melaleuca é vendido em casas de produtos naturais e em algumas farmácias. Nas prateleiras, leia o rótulo e certifique-se de que ele é 100% natural, sem adulterações ou presença de outros ingredientes que podem alterar seu efeito. A melaleuca também pode entrar em fórmulas manipuladas ou de produtos industrializados, como xampus e cremes dentais.

Contraindicações

 

Por ser natural, não há grandes contraindicações para o óleo de melaleuca quando usado em concentrações corretas. “No entanto, o uso oral não é recomendado por ser tóxico ao sistema nervoso central. E e o uso em gestantes é controverso, pois ainda não há estudos que comprovem sua segurança caso os componentes ou metabólitos do óleo atravessem a placenta. De qualquer forma, não é indicado principalmente no primeiro semestre da gravidez”, alerta a dermatologista Emily Alvernaz. Irritação e reações alérgicas podem ocorrer em pessoas pré-dispostas.

 

Referências

  • Vívian Malva, professora do curso de Naturologia da Universidade Anhembi Morumbi
  • Mariana Vitte, naturóloga do W Estética Spa
  • Nathalia Carravetta, especialista em aromas da marca L’eponge
  • Emily Alvernaz, dermatologista da Clínica Goa
  • Mônica Aribi, dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

 

Escrito por Monique Garcia
Redação Minha Vida

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s